quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013



GLAMOUR


 s.m. (pal. ingl.) Encanto; simpatia; charme.
Dicionário online da Língua Portuguesa


A cerimónia dos Óscares de Hollywood fez-me pensar no quanto sempre gostei de cinema. Não sendo uma cinéfila de "gingeira", como se costuma dizer, daquelas que sabe tudo em termos de datas, prémios, distinções, sempre elegi o cinema como um dos meus hobbies prediletos. Gosto particularmente de romances históricos, biográficos, épicos, policiais, thrillers e filmes de ação, mais ou menos por esta ordem... já o mesmo não direi dos musicais, de terror, ou de ficção científica. Esses, rejeito de boa vontade e é mesmo um sacrifício para mim vê-los.
 Para mim, nada substitui uma ida ao cinema, a qualquer hora do dia (acontece frequentemente ir sozinha, àquelas horas improváveis, ver aquele filme já quase fora do circuito quinzenal, que mais ninguém quer ver...), envolvendo-me naquele escurinho coletivo, sendo rodeada por aquele som abrangente, e "mergulhando" naquela história, naquelas personagens...Gosto mesmo muito! É como o refrão da Rita Lee: "no escurinho do cinema/chupando drops de anis/longe de qualquer problema/perto de um final feliz... 
Tenho também alguns atores e atrizes de eleição, cujos filmes são sempre sinónimo de sucesso para mim, independentemente dos anos que passem, das fases da vida em que me encontre e dos sucessos de bilheteira que conseguem. Enfim, nem mesmo o preço (quase) proibitivo dos bilhetes me impede de eleger este hobbie, a par da leitura, como AQUELE!
E é tão glamouroso, o cinema... é sempre tudo tão bonito, o que envolve o cinema: os atores e atrizes são sempre lindos, as histórias, muitas vezes, acabam bem, os cenários, as envolvências, as mensagens, a intensidade mais profunda, ou mais ligeira da moral da história, os diálogos, as tramas do enredo. É uma arte, acredito, fazer-nos "estar" alguns longos minutos nesse pedacinho de mundo "de lá", à parte deste mundo "de cá", aquele que é mesmo nosso e que, às vezes, apetece-nos esquecer por momentos. E esquecemos mesmo, mesmo de verdade, mesmo que acordemos logo a seguir, com um doce sorriso de lembrança, como se o filme ficasse a pairar na memória mais algum tempo e se fosse tornando depois inesquecível, sendo eleito o filme "da vida"... tenho vários, destes...
Hoje, a paixão pelo cinema faz-me pensar que, mulher feita, vejo com outros olhos o glamour reinante... analiso o que estará por detrás daquelas vidas/sorrisos/brilhos tão cintilantes e contraponho com outros glamours que conheço, ao meu lado, todos os dias, em todo a parte, uns mais conhecidos que outros, uns mais exuberantes que outros, mas todos tão... únicos!
Aquela capacidade de se ser singular, tendo um quê de diferente, único, exótico, rejeitando o "contágio viral" com a maioria, que nos faz vestirmo-nos todos de igual, comermos o mesmo, falarmos das mesmas coisas, pensarmos (quase!) da mesma forma, irmos aos mesmo sítios, termos as mesmas opiniões; aquela unicidade charmosa que só algumas pessoas têm e que nós não sabemos explicar onde está, independentemente do que vestem, do que usam, do que põem , ou onde põem; aquele cheiro que fica no ar quando se afastam, não um cheiro físico, mas uma presença, uma marca, um toque; aquela capacidade de embelezarmos de forma absolutamente única a nós e ao que nos rodeia.
Não sei se sou assim... somos sempre maus juízes em causa própria, mas conheço algumas pessoas assim e ainda bem! São elas que me fazem apetecer ter hoje, do glamour, uma opinião diferente e isto, mesmo continuando a gostar muito de cinema!!!!  

Bons filmes!!!!

BOLHA (Arejada de conforto emocional...) E quando o dia foi hiper cansativo e sentimos que isso, mais o calor insuportável ...