quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013





HAPPY VALENTINE

 
 Há coisas que nos entram pela vida a dentro, mesmo sem querermos, ou fazermos nada de especial para que isso aconteça. O assinalar com as crianças do meu grupo de trabalho o dia de São Valentim é um exemplo disso. Nem por sombras estava a pensar hoje em trabalhar este tema. Pensei em fazer com os meninos uma retrospetiva destes dias de Carnaval, perguntando-lhes o que tinham feito nos três dias de interrupção letiva em que muitos ficaram em casa, perguntando-lhes como tinham vivido a quadra numa cidade tão carnavalesca como aquela em que trabalho e seria por aí, fazendo um ponto final a esta temática, relembrando-a, falando das experiências familiares e de vida, ouvindo os colegas, relatando episódios extra-escola. Os dois dias úteis que nos separam do fim-de-semana seriam propícios a essa conclusão antes de iniciar uma nova semana de trabalho. Sei que se pode aproveitar este dia para se falar nos AFETOS, na AMIZADE, na PESSOA MAIS QUERIDA e extrapolar por aí em diante, toda a teia de valores e conceitos que se querem trabalhar com os grupos. Aliás, como refiro várias vezes, essa é uma riqueza grande do Pré-Escolar: a transversalidade que tudo pode ter e a versatilidade responsável que podemos dar às temáticas.
Mas pronto, eu não estava para aí virada, não tinha pensado ir por esse caminho, até porque acho que damos aos temas o peso que nós próprios queremos dar... mais, ou menos, conforme a intensidade com que os vivemos.
Lembro-me, na adolescência e juventude, de dar a este dia um colorido especial, fazendo dele aquele pote meloso de lembranças, recados, bilhetes, mensagens e tudo o mais e resto que nos é oferecido, um pouco pela nossa imaginação e outro pouco (ou muito) pelo comércio! E eu, adolescente e jovem normal (penso), sempre lhe dei essa cor.... 
Hoje, mal entrei na minha sala, gritaram-me: -" PAULA, HOJE É DIA DOS NAMORADOS!!!!" - e eu, apanhei este dia no colo, assim, mesmo sem pensar... Falámos nos namorados, nos amigos, nas amigas, nas pessoas queridas, nos pais e mães namorados e nos pais e mães que não são namorados e nos pais e mães que têm outros namorados... falámos nas manifestações de carinho, nos beijinhos, nos abraços, nos sorrisos, falámos nas pessoas mais queridas para nós, falámos nos corações e nas cores dos corações... E FOI TÃO BOM!!! As crianças têm esta capacidade mágica de me deliciar com coisas tão simples!  Um mero coração de papel pintado e recortado, surgiu, do improviso, colocando lá dentro AQUELA(s) pessoa(s) mais querida(s)!
E lembrei-me de mim e do meu namorado, lembrei-me das minhas amigas que, como eu, tiveram (e têm) um namoro longo, preenchido com descobertas de um e do outro, ao sabor dos anos e do crescimento e da vida; lembrei-me das minhas amigas que tiveram um namorado e já não têm, lembrei-me daquelas que optaram já por não querer ter nenhum, ou pelo menos nenhum sério, estável, duradouro, com cara de "projeto de vida"; lembrei-me daquelas que optam por ter um namorado só "aos bocadinhos", quando lhes apetece, adaptando o namoro aos comodismos de cada um, porque já são mais velhas, porque já não têm paciência, porque já não faz sentido de outra forma, ou só porque sim; lembrei-me daquelas que não conseguem esquecer o primeiro namorado e que, por isso, pautam todos os outros pela mesma tabela afetiva, esquecendo-se que nessa tabela só cabe um; lembrei-me daquelas que fazem do "ter um namorado" um projeto de vida, porque a solidão assusta mais que um namorado que ainda não existe; lembrei-me daquelas que procuram um namorado e não o encontram, porque o que vêm não é aquilo que procuram.... Todas estas amigas fazem parte da minha rede de afetos e têm um nome e sei quem são e hoje, para todas elas, apetece-me só dizer que se calhar, o mais importante é pintarmos o nosso coração da cor que quisermos e pormos lá dentro AQUELA PESSOA MAIS ESPECIAL, tenha ela a cor e a forma e o título e o elo e o peso e a força que lhe quisermos dar e assim, como os meninos e meninas da minha sala, veremos este dia com olhos mais simples mas verdadeiros, os olhos do AFETO!
 
 
"Um namorado é um amigo, mas não normal, diferente... daqueles assim especiais, que se gosta tanto, tanto..."
 
 João Bernardo, 5 anos