sábado, 21 de julho de 2018





PERFEITA IMPERFEIÇÃO


Hoje falava com um grupo restrito de amigos, sobre o ser-se dengoso demais, o ter-se um certo estilo de dengosice (atenção que não sei se a palavra existe!) risonha que é apanágio de muita gente, sobretudo de alguns homens. Não o farão por mal, nem o farão por bem. É uma questão de estilo e dos estilos, ou se gosta ou não se gosta. Ponto.
Eu não gosto. Sobretudo quando isso vem acompanhado daqueles risinhos parvos, meio trocistas, meio sem jeito de quem quer dizer uma gracinha que não tem graça nenhuma.
Gosto de um homem educado e cortês, que saiba falar de qualquer assunto de forma natural, sem sabichonices armadas em intelectuais, de forma clara e espontânea. Gosto de um homem inteligente que saiba rir de si próprio e que veja no sentido de humor, uma forma natural de seduzir. Gosto de um homem com ideias claras e definidas, que conduza a vida pelo rigor e seja verdadeiro consigo e com os outros. Gosto de um homem que me trate bem, sem ser aparvalhado, ou deslumbrado com realidades virtuais que só existem fora de nós. Gosto de um homem que não concorde sempre comigo, mas que respeite e priorize o meu pensar, porque é meu e vem de mim. Gosto de um homem que se valha por projetos e que goste de os partilhar. Gosto de um homem que veja a vida como uma dádiva e que a goste de viver. 
Não tem que ser perfeito, este homem. Tem que ser, ao invés, perfeitamente imperfeito e, por isso, muito real, palpável e concreto. Tem de ter um rosto, um cheiro, um toque e uma voz. Tem de ter vida e não ser virtual. E na vida de todos os dias, tem de encaixar, completar, estar e fazer... PAR.

E porque hoje dizia também que só aguento porque desligo ao fim do dia e recarrego baterias em redutos que me centram no essencial, tive mesmo que pensar concretamente em ti, na tua vida, na minha vida e na tua e minha vidas em nós. Confuso? Não... CERTO, CERTÍSSIMO!!

LUV U.




P.S. Fiquei indecisa na foto para pôr aqui... Minha? Tua? Nossa?
Resolvi-me por esta... Afinal, a tua vida na minha, a minha vida na tua e a nossa vida em nós... 
Achei que esta ficava bem. Uma perfeita imperfeição. 

Sem comentários:

Publicar um comentário