sábado, 26 de março de 2016



SEGURO E CERTO
(como o mar)


E às vezes não há muito mais a dizer, nada de novo, insólito, magnífico, ou ultra, mega especial. Às vezes, não se sente tudo a mil, como as paixões recentes e dignas de livro, ou filme.
Às vezes é também só isto, o tirar selfies parvas, em cima de uma falésia qualquer. 
Faz parte do normal que nos envolve e acredito que isto baste... Tem que bastar e suster e revalidar.  Seguro e certo como o mar que nos envolve lá atrás.
É isto.



sexta-feira, 18 de março de 2016




LUVINHA DE PELICA

Entrou, no alto dos seus saltos de 15 centímetros. O andar era seguro, mas o ar era exagerado, pouco natural. Pintadíssima, demais, para o meu gosto. Reparei que pouco era de si própria: pestanas falsas, unhas falsas, decote falso também, tudo muito em modo "demais". Enfim, gostos, pensei e quanto a isso, nada a fazer.
De repente, oiço-a sorver, sim, sorver ruidosamente o galão. A colher, lá dentro ainda, mesmo enquanto ia bebendo, a torrada ia sendo mergulhada dentro do leite e era sorvida a seguir... ruidosamente também.
Pois, pensei... de facto,  também quanto a isto não há nada a fazer.
De repente lembrei-me desta frase que tinha aqui, algures, recolhida do Pinterest.


Achei que entrava aqui, como uma luvinha de pelica.
Pois é, de facto, há coisas que nunca terão explicação, por mais que o verniz seja brilhante, muito brilhante...

P.S. Ah, a frase é atribuída a Leonardo DaVinci.

terça-feira, 15 de março de 2016






'BORA?

E porque queremos sempre regressar a sítios onde somos felizes, era mesmo para aqui que eu ia agora direitinha.
Contigo, de preferência.
'Bora lá? Acho que nos ia saber bem...




Enquanto este não chega, fico-me pelas fotos e pela vontade.

sexta-feira, 11 de março de 2016





P.S 
POST SCRIPTUM





E pronto, o que vejo é isto: duas pessoas, lado a lado, um caminho, passadas ligeiras, cúmplices, uma vida que corre rápida, ora calma, ora crispada, uma escuta, um diálogo, um silêncio. 
No final o que vejo é este TUDO que cabe inteiro em ti e em mim.
E o mais importante, tenho a certeza, é o que ainda há após a escrita... 

Às vezes é aí que estamos e resumindo e baralhando, É O MAIS IMPORTANTE! 

terça-feira, 8 de março de 2016




TULIPAS AMARELAS II




E embora seja verdade isto, tenho (temos) vida (s) muito fácil (fáceis), comparativamente a outras e acho que nestes dias internacionais é dessas outras e outros que nos devemos lembrar.
Cá para mim, é deste episódio que me lembro sempre no dia Internacional da Mulher.
É que, três anos volvidos, continuo a achar uma linda, cortês, respeitosa e simples homenagem. 
Ah! e continuo a gostar de tulipas amarelas!

sexta-feira, 4 de março de 2016




DESCONTRAÇÃO q.b



O teste correu-lhe mal, muito mal, mãe, nunca tinha deixado exercícios para fazer na minha vida. Bateu de frente com uma sensação de frustração que faz sempre crescer, se for bem processada e se dela se retirar ensinamentos valiosos, mas que não é DEFINITIVAMENTE, fácil. Bateu de frente com a sensação de que o esforço, o brio, a dedicação nem sempre são reconhecidos na sua plenitude, não se traduzindo por resultados desejados, ou ansiados (welcome to real live!). Sempre lhe disse que é uma escravatura esta tirania da média, da nota no acesso à universidade, que considero que há muitos outros fatores que fazem deles homens e mulheres sãos e capazes e que não são, infelizmente, nem perdidos nem achados nesta coisa do acesso. Digo-lhe muitas vezes que é tentador, para um bom (leia-se ótimo, excelente) aluno cair nesta rede de centrifugação absurda de energias, centrando-se só nas notas, notas, notas e que o desafio será sempre o de resistir a esta tentação e de ver TODA a vida que os rodeia, estudando, vivendo e descontraindo, caldeando isso tudo numa mistura que se revelará, certamente, numa motivação incrementada. Sim, farto-me de lhe dizer isso, mas também sei que esse equilíbrio terá que ser ela a descobrir e conquistar.
É uma miúda maravilhosa e sei que o futuro lhe vai sorrir, ou não fosse eu uma mãe galinha, do mais galinha que pode haver.
Mas também sei que a vida não é desenhada a régua e esquadro e que há muitos planos B e C e D que às vezes surgem e podem ser maravilhosos também. Resta-nos só não nos fecharmos a eles e olhá-los de frente, encará-los, rirmo-nos deles e dar-lhes assim, algumas doses certas de descontração. Essa, também faz milagres!

P.S. Qualquer que ele seja...


quinta-feira, 3 de março de 2016




PELO AVESSO 

(também...)






E é verdade, isto. Como se o corpo nú desse a alma nua, ou a alma nua desse o corpo nú, (qualquer que seja a ordem) como se o pack completo tornasse muito melhor aquilo que se recebe. De facto, só assim a coisa é boa, acho eu. Só assim faz sentido. 
E conhecer-te assim, do avesso, dá-me uma sensação maravilhosa de felicidade, o que se há-de fazer?
Ah! a frase da foto, parece que é atribuída ao Charles Chaplin. Não é que sempre gostei dele?

terça-feira, 1 de março de 2016





(AMIGAS)

ASSIM... DO PEITO!


Tenho algumas boas amigas, daquelas assim do peito, com quem sei que posso contar. Poderia, para cada uma delas fazer um post, sim senhora e para algumas já fiz, ou já foram, DEFINITIVAMENTE, fontes de inspiração para este blog. Quem me conhece sabe que sim, que estão sempre comigo e que me completam, equilibram e enternecem. Cada uma delas também sabe que sim, um SIM REDONDO, VALENTE E INTRANSPONÍVEL!
Mas, ao ver esta foto, foi para ti que me apeteceu escrever. Só porque sim, só porque tu és tu e pronto e isso chega para me seres tanto!

Obrigada por estares na minha (nossa) vida há tanto tempo, por termos tanto em comum e por ser tão bom, isso!


P.S. Quem disse que é demais agradecer?

PARIS ( Post escrito na última noite em Paris) Estamos a deixar Paris. Esta é a nossa última noite nesta cidade maravilhosa. Já cá t...