quinta-feira, 25 de setembro de 2014




IRRITAÇÃO CHATA-CHATINHA



E pronto, lá andei num virote toda a tarde e tudo me correu mal: horários de coisas programadas que não se cumpriram, itinerários furados, pressings de coisas que têm que ser feitas com aquela urgência que só nós sabemos e uma sensaçãozinha de irritação constante e persistente que me transforma, às vezes, naquela criaturinha chata-chatinha que sei lá... É que persisto na irritação, o que fazer?
Não me libertei desse nervoso miudinho chato. Persisti nele pela tarde adentro, ainda remoendo no que tinha programado fazer e não conseguira, onde tinha que ter ido e não fui, o que devia ter dito e não disse. -Que coisa, ter que adiar isto e mais isto e ainda isto para amanhã!! Bolas, 'tou mesmo irritada!
Ainda cheia de ar-insuflado-de-irritação-chata-chatinha, via-a entrar na esteticista do bairro. Entrou e sentou-se na primeira cadeira ao pé da porta. Super bem disposta, chamou-me menina e falou despropositadamente sobre várias coisas. Percebi que o pequeno salão serve de poisio ocasional nas voltinhas diárias pelo bairro, que é familiar, pequenino e acolhedor. Falou dos 79 anos que já tem, do marido que está quase inválido e de quem trata ainda com vigor e de quem recebeu maus tratos toda a vida. Contou das tareias que apanhava, do que isso a magoava, das filhas que criou sozinha, afastada de cumplicidades e afetos e do tanto e tanto que trabalhou até doer. Nunca deixou de sorrir enquanto contava isto. Como é possível?
Dali voei para o supermercado, à pinha, em hora de ponta. Coisinha ótima para dia de mau humor! E então reparei que alguém se dirigia a mim! Reconheci-a logo. Contou-me da doença súbita e inesperada, dos tratamentos violentos e da desestruturação do puzzle familiar. E da esperança que tem. E da certeza da cura. E reparei que sorria. E estava gira. Bem arranjada, moderna. E sorria muito!
Finalmente lá percebi! Sou muito parvinha às vezes e tão pequenina!
Todos os dias há pérolas por aí... muitas vezes, nós é que não as vemos! Vá lá, hoje ainda fui a tempo, acordei... E estas duas que encontrei hoje, assim por acaso sem esperar, no meio de uma densa irritação chata-chatinha, são do mais lindo que há!


Obrigada...