quarta-feira, 8 de maio de 2013



EU QUERO SER...

"Eu não quero ser nada... não sei... é o quê?... a minha mãe diz que não há trabalho!!!!"

                                                                                                               L. 5 ANOS     

Hoje perguntei aos meninos e meninas de todas as cores que tenho na minha sala, à minha frente todos os dias, o que queriam ser quando fossem grandes!
Houve uma série de circunstâncias que deram o mote para esta atividade, independentemente de ser, em contexto de Jardim-de-Infância, uma atividade recorrente.
É um "clássico" aparecerem respostas das meninas, de "bailarinas" e dos meninos de "bombeiros", ou "polícias" e, graças a Deus, esse imaginário mágico, ajudado pela ingenuidade e idade das crianças, manteve-se também na minha sala, nesse dia, nessa atividade. Nem tudo está perdido, pensei!!! Três, ou quatro bailarinas, médicos (as), futebolistas, construtores, trabalhadores de máquinas, esteticistas, cuidadora de animais, nenhum professor (a), uma mãe e um paleontólogo (!!!), apareceram nas rápidas respostas que me íam dando.
Não sei explicar porquê, mas esta atividade fez-me pensar em como tudo está diferente do que era há uns anos e de como isso nos obriga (ME OBRIGA) a mudar paradigmas e estratégias para as coisas! A maior parte daqueles meninos e meninas coloridos que estavam à minha frente a ouvir-me e a responder-me, fizeram-no levados (a maioria) pelo "mergulho" que fizeram no tema, pela envolvência que foram sentindo à sua volta e pelas características mágicas da idade que têm, que os leva (AINDA) A SONHAR, A QUERER SER, A IMAGINAR... Sim, porque a maior parte daqueles meninos e meninas têm um pai e uma mãe que não trabalha há muito tempo o que não lhes deixa construir na sua cabecinha a ideia do que é uma profissão!
Cada vez é mais comum sentirem o pai e a mãe preocupados porque não têm trabalho, ou a ter trabalhos/ocupações ocasionais, ou a terem que ter outros trabalhos para além do principal; ou a perderem o trabalho que tinham; cada vez é mais comum os meninos e meninas ouvirem os adultos terem do trabalho e das profissões uma ideia amarga, cheia de incertezas, tristezas, falsas certezas e outras "ezas" que tais...
Não há muito a fazer... a idade deles e delas dar-nos-á sempre bocadinhos de magia e de motivação aos quais nos podemos sempre agarrar para colorir estes momentos, para lhes transmitir informação, para lhes mostrar coisas novas e diferentes e para lhes mostrar que ainda há exemplos de gente feliz e realizada com o seu trabalho, com a sua profissão, mesmo que já vão sendo poucos e mesmo que esses poucos tenham que lutar muito contra tanta coisa feia e desmotivante que gira à sua volta! Mas é assim, isso existe mesmo...