terça-feira, 21 de março de 2017






CORAÇÃO-COISADO


Seremos eternamente diferentes na maneira que temos de lidar com alguns assuntos, mas percebo essas diferenças e leio-te com a fluência que o passar dos anos juntos me/nos dá. Não precisas de me dizer nada para que eu te leia. Faço-o porque te conheço como ninguém, por isso te adivinho opiniões e maneiras de estar e por isso te decifro olhares e expressões. Antecipo-os, percebes? E dou-lhes rumo, ou contexto, se quiseres. E esta minha capacidade de análise (inteligência emocional?) faz-me admirar-te nessa diferença que nos distingue, porque a sinto como complementar e não como fraturante. É como se essa diferença em tantas coisas, fosse um complemento de que o outro precisa para prosseguir, com outro olhar, com outra lente que o ajuda a ficar mais equilibrado, porque a ver melhor e porque o equilíbrio é feito de muitas verdades que se conjugam num trapézio (quase) perfeito.
Sim, eu preciso do teu equilíbrio da razão, do teu pragmatismo matemático e do teu sangue frio, como tu precisarás da minha emoção, do meu génio fácil que dá cor e tom variado (muito) às coisas e do meu temperamento muito expressivo.
Coisaste o meu coração, sim... há muitos anos. E ele, esse coração, faz-me dizer-te que ainda bem que somos diferentes, tão diferentes, mas tão maravilhosa e equilibradamente  complementares.
E aqui para nós, tens que reconhecer: tanta matemática sem um piquinho de emoção e expressão, que desgraça seria?
LUV U!!