quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

 
 
 
 DOCE CLICHÉ
 
Todos os anos é a mesma coisa, é como se de um cliché se tratasse... uma ideía que se repete, as mesmas palavras de sempre, expressões que, de tão utilizadas e repetidas, quase se desgastam e se afastam do significado original... assim parece que se vive o Natal, aquele que nos circunda por todo o lado. Sinto sempre uma certa anestesia, nestes dias, sobretudo naqueles que o  antecedem. Aliados a esta "dormência", um certo nervoso miudinho e muita, muita falta de paciência (cada vez mais...) para tudo o que constela à volta da quadra: compras, correria, campanhas de boa-vontada, peditórios, etc, etc, etc. Ouve-se dizer (e penso que é um dado quase científico!) que a idade nos vai alterando. Céus, então devo mesmo estar a ficar velha, diferente... ou então, mais seletiva com o que realmente me importa, não sei! Sinto até um certo alívio quando tudo passa, quase como se o voltar à velha rotina de todos os dias, fosse um remédio certeiro para a normalidade da vida, que é tão boa, tão terapêutica, tão feliz!
Por outro lado, "feridas antigas" reecruscedem nesta quadra, exarcebando-se de tal forma que quase tomam conta de mim... uma saudade grande, grande de tesouros que já não tenho e que fizeram (e fazem!) parte da minha vida, da minha história, uma nostalgia que paira no ar à minha volta, enfim, uma atmosfera de "lágrima ao canto do olho", só interrompida pela agitação própria de três vendavais que vivem comigo e de um ombro enorme, quentinho e saboroso  que me acompanha e ampara quando fragilizo! Esta sensação de segurança contrabalança a outra, de alguma tristeza e olho vezes sem conta para um presépio pequenino que tenho na sala, feito com figuras de barro pintadas de cores alegres, com uma velinha acesa sempre ao centro e centro-me (tento, com força!) naquela simplicidade ali retratada e assimilo que essa deve ser a mensagem de todos os Natais... tão simples, tão fácil, tão feliz, tão gratuita...
E assim vivi estes dias: um pouco afastada da rotina e "pairando" por aqui...
E ao reler o que acabo de escrever, pergunto-me se não estarei a ser exigente demais... se calhar, a melhor maneira de serenar será aceitar tudo isto, sem procurar uma exuberância de sentir, que nem sempre se consegue ...sentir!
E assim, aceitando esta "resmunguice interior" e deixando de lutar contra ela, fico talvez preparada e não posso deixar de sorrir e de agradecer (muito, muito!) perante aqueles clichés tão verdadeiros e nada prejurativos: o passear na praia todos juntos, o tirar fotografias palermas sem sentido, o beber café nos mesmos sítios saborosos de sempre, o sentir daquele sol de Inverno delicioso e daquele ventinho, irmão da brisa, o acordar mais tarde com mais alguns de nós enroladinhos uns nos outros, tipo "salsicha em lata", o ver filmes antigos, ou novos no sofá da sala, o fazer e inventar receitas de Natal, o inalar de cheiros conhecidos, o acender a lareira, o andar de pantufas todo o dia, o ler livros pendentes, ou descobrir novos, o burburinho constante de uma casa sempre cheia de gente!
E aí, quando faço isto, parece que a mensagem feliz daquele presépio pequenino se agiganta e toma agora conta de mim, e pergunto, "cadê a lágrima teimosa?"
Um sorriso natalício para todos...
FELIZ NATAL!
 


  LEITE DERRAMADO Já estou submersa, naquela fase do meu trabalho em que só vejo papéis à minha volta e em que sinto que tenho ...