sexta-feira, 27 de novembro de 2015






COISAS EM CATADUPA E OUTRAS VERDADES...

Este post, deste blog fez-me pensar nisto. Lido com muitos miúdos, de várias idades. Sei que lêem pouco, discutem pouco, preocupam-se pouco com questões que lhes sejam alheias. Salvo raras exeções, percebem pouco do que se vai passando à sua volta, mesmo que tenham um acesso à informação super privilegiado e super diferente do que era antigamente. Essa informação chega-lhes em catadupa e não param para filtrá-la, interpretá-la, retirar-lhe tutano e sumo, para que se transforme em conhecimento. Para isso, seria preciso tempo e serenidade, para processar essa informação, coisas que eles não têm facilmente, atabalhoados em vidas apressadas e cheias de coisas para fazer. Às vezes acho que o excesso de estímulo, os atordoa, como se ficassem encadeados e tontos como uma mosquinha à volta da luz.  E depois, muitas vezes, acabam por achar que o melhor é mesmo não assumirem nada, não tomarem posições, não vão para aí arranjar problemas. Pois...
Acho que esse pode ser o pior dos males... Gente amorfa, nem quente, nem fria, sem opinião, sem amplitude de conhecimentos, sem saber conversar, sem interesse pelo que se passa à sua volta, sem ângulos de visão diferentes daquele do seu mundinho colorido, virtual e egoísta. Sim, estou cáustica, mas este é um assunto recorrente lá em casa. Digo-lhes que serão muito mais interessantes e encantadores se forem pensantes, opinativos, consensuais e respeitadores, mas sem se anularem do que pensam. Este equilíbrio de forças terá que ser uma descoberta, mas é o único caminho possível para se tornarem irresistíveis.
Haverá coisa melhor que um homem ou mulher que pensam?
Pois, também acho que não...