quinta-feira, 26 de dezembro de 2013






     (...)  "Também é essencial que cada um mantenha o seu espaço individual. Cada um deve ter as suas atividades e fazer coisas sozinho. Com os Pais, em relação aos filhos, passa-se o mesmo (...)"

-SOBREVIVER AOS FILHOS-
REVISTA PAIS E FILHOS



BANDEJA CHEIA


Preciso disto, eles já sabem. De vez em quando, tenho que ter escapadelas só para mim, para as minhas coisas, para os meus ritmos, para os meus interesses, nem que seja estar só sentada no café da esquina com o meu livro, ou o meu caderninho preto. Se essas escapadelas não acontecem espontaneamente, forço-as de quando em vez. É imperioso que assim seja e faz parte do meu equilíbrio. Eles todos serão sempre a minha prioridade, mas isso não tira a urgência que sinto em ter bocadinhos só meus, sem mais ninguém, a fazer aquilo me apetece em bocadinhos de tempo que me são, às vezes, oferecidos de bandeja! E hoje foi assim... uma filha com programa ao final da tarde, outra com uma avó desde a hora do almoço, pai no ténis, filho mais novo com a outra avó para programa inadiável e achei que era isso, a bandeja estava mesmo à minha frente, não podia recusar aquele manjar dos deuses!!... Voei para a esteticista e, como se calhar as mães extremosas talvez tenham sempre umas pontinhas de sorte, quem sabe, consegui mesmo um buraquinho para que me atendesse, tratei lá de mim, relaxei, descontraí, cheguei, estive em casa um pedaço grande de tempo sem mais ninguém, li, ao som de música na rádio de eleição e sem ninguém atrás a desdenhar, porque oh mãe, essa rádio não!, elenquei, COM CALMA, uma série de coisas que tenho para fazer a partir de amanhã, preparei o jantar de TODOS com calma também e preparei-me para ir ao cinema, pois afortunadamente, o filme que quero ver dá HOJE em hora adaptável a isto tudo! Hum, programinha bom para final de dia!
Daqui a 15 minutos chegarão todos a casa outra vez e a minha saída para o cinema já vai ser em cima da hora outra vez porque haverão mil perguntas e solicitações à mãe outra vez, porque o pai vai adquirir outra vez aquela capacidade de se tornar invisível, mas não faz mal... insuflei hoje à tarde um bocadinho de bem-estar e, acho, já estou pronta outra vez para ser igual a todos os dias... é que também sei que aparecem sempre, vindas do acaso, bandejas como esta!