quinta-feira, 2 de julho de 2015




'BORA SORRIR?

Lembro-me como se fosse hoje: iria haver um desfile e o meu vestido era horrível, achava eu... Parece que ainda o estou a ver: azul clarinho, de cavas, com uma faixa do mesmo tecido a fazer de cinto, descaído e pequenas listinhas amarelas, quase douradas. Não estava no meu elemento, que vestidos não eram muito comigo, mas lá fui desfilar com as outras. Não ganhei o prémio do melhor vestido, ou dos sapatos mais bonitos. Ganhei o prémio do sorriso mais lindo e aquilo, a sério, soube-me a prémio de consolação, como se não houvesse mais nada para ganhar e me dessem aquilo para não ficar triste.
- É o melhor prémio, disse-me a minha mãe... O sorriso andará sempre contigo, é o único prémio genuíno, é uma coisa tua, de verdade!
Não me souberam a nada, aquelas palavras. Queria era ter ganho o vestido mais giro, agora o sorriso!... Todas temos na infância uma fase Barbie, acho eu e eu, no alto dos meus 8, 10 anos, estaria lá em cheio, mesmo preferindo subir às árvores e jogar ao berlinde. Acharia já eu, nessa altura e sem saber, que isso se poderia conjugar....

Tenho um sorriso fácil, pronto. Para o mal e para o bem, sai-me facilmente, aquele e às vezes, quando me falam do meu sorriso, lembro-me desta história longínqua da minha infância feliz e percebo-a agora com outras cores e traços. De facto, ainda bem que sei sorrir, ainda bem que o faço com facilidade e ainda bem que, sobretudo, rio e sorrio de mim própria, muitas vezes. Dizem  que isso, é sinal de inteligência. Será?  Não sei, mas que às vezes é terapêutico e exorciza mau-estar, ah isso é certo!!

E que seja sempre sincero, este meu sorriso, já agora, que isso é o mais importante!!

'Bora sorrir?