quarta-feira, 10 de agosto de 2016



E ENTÃO?
(os 22 anos depois?)

Tenho estado desejosa de me sentar a escrever este post, agora que a mega logística de um pós-viagem a 5 se vai apoderando de mim e a rotina que conheço vai tomando lugar, instalando-se sobranceira e espaçosa, agora para coisas minhas, muito minhas. 
Assim, 7 máquinas de lavar roupa depois e outras coisas que tais e já instalada no meu reduto familiar de férias, começo a processar a informação de tudo o que se passou durante esta viagem que fizemos de 8 dias. Apetece-me constatar que sim, 22 anos depois, esta viagem, a este sítio, teve, na mesma, o doce sabor e encantamento esperados: deslumbrei-me outra vez com as paisagens de postal que a Suíça oferece, olhei à volta e vi que não havia cantinho de que não gostasse, observei o sentido de organização oferecido, limpeza, ordem e disciplina, vi gente e mais gente e mais gente, unida por um ideal universal de fraternidade, que é o Escutismo (e que bom passá-lo para os meus filhos!), constatei interiormente e a cada minuto, que aos 44 anos reparo em coisas e em pormenores que aos 22 não reparei (e assim deve ser... será sinal de normalidade, certo?), revejo-me na alegria e reações das minhas filhas, deslumbro-me com uma Natureza exuberante, grandiosa e soberba que me devolve a cada minuto a sensação de pequenez que devo, para justa reflexão, ter, rejubilo com o facto e privilégio de estar a viver esta experiência a 5, com aquele núcleo que é meu, nosso, partilho com amigos estas sensações e colo mais uns mosaicos de coisas boas numa memória pessoal.
Haveria muito mais a dizer sobre esta viagem. Haveria até a possibilidade de se considerar que não foi uma viagem de sonho, já que teve a reboque uma logística grande que cansa e extenua, podendo ter-lhe tirado o sabor, mas acho que os sonhos são teimosos e  do tamanho que temos, que é o mesmo que dizer que têm a forma e cor que lhes quisermos dar e então, mesmo guardando a ideia de viagem de sonho para outra viagem que venha ainda a fazer, de KANDERSTEG, 22 anos depois, vou guardar uma doce e linda sensação. 
 LIVE THE DREAM, dizia-se por lá, no chalé Escutista. Pois é! E nestes 8 dias, o sonho foi do meu tamanho e dentro dele, coube tudinho o que por lá vivi. Mesmo...!