sábado, 5 de maio de 2018







BOLHA DE FUMO

Sentei-me à sombra para beber um café. Passava os olhos pelo jornal e vi-os: um grupo grande, uma família com pai, mãe, avó e outros. Falavam alto, via-se que tinham chegado há pouco e percebi que iam almoçar ali perto. A jovem estava trajada com o traje académico da Universidade e levava no braço a pasta com as dezenas de fitas que balançavam ao vento enquanto andava. Era a mais alegre do grupo. Era gira, a miúda. Ah sim, hoje é a benção das pastas dos finalistas, já percebi o enquadramento da coisa, pensei. A família veio toda para o evento. À medida que se iam aproximando da mesa onde estava, percebi que tinham marcado almoço num restaurante ali perto. E o encantamento da miúda esfumou-se no ar, como uma bolha de fumo que, afinal, é tão ôca que faz puff. A avó, uma velhinha deliciosa, andava devagar e era trazida, de braço dado, por alguém, talvez filha, ou nora, ou outra neta, não sei... andava devagar e já dobrada. Olhava para a neta trajada e sorria, com aqueles sorrisos simples e cheios, com olhos e boca, orgulhosa do feito que adivinhava à menina. Pediram à neta que abrandasse o passo, a tua avó não consegue acompanhar-nos assim, tem lá calma, disseram-lhe... Ela que ande! Não trouxe sapatilhas? Só tem mais é que se apressar...
E o puff da bolha de fumo a desaparecer no ar soou-me cá dentro de forma ruidosa. Se calhar esta miúda, já mulher, nunca foi repreendida nas vezes em que, de certeza, já respondeu assim à avó. Se calhar até lhe achavam piada, ou um sinal de resposta pronta e espirito independente. Ou se calhar isto até foi só uma tirada infeliz que a mim desagradou. Não sei... mas de repente, miúda, ficaste sem piadinha nenhuma e esfumaste-te no ar como uma bolha de fumo.
E sabes? apeteceu-me dizer-te... nenhum curso te vai dar aquilo que já não tens!





P.S. E foi mesmo esta foto que me apeteceu pôr aqui...  da minha mais velha com a minha doce avó Luciana, tão velhinha já aqui, mas ainda com uma das bisnetas ao colo...