sexta-feira, 20 de abril de 2018




SÓ PORQUE SIM..





Não sei o que é. Não sei se haverá um nome para isto, ou se o nome poderá ser aquele que se quiser. Não consigo quantificar o tamanho e a intensidade com que o sinto, porque o tamanho e a intensidade com que o sinto afloram-me a pele de maneiras diferentes todos os dias. Mas afloram. E estão lá. Num tamanho e numa intensidade reais e palpáveis, quaisquer que sejam as circunstâncias. Porque tu és real na minha vida e porque eu gosto dessa realidade, como se fizesses parte de mim, mesmo sem me tirares uma unicidade que me distingue e me torna única perante todos os outros indivíduos. Uma unicidade de que gosto muito e não me afasta de ti, ao contrário, fortalece-me e aproxima-me. Porque me deste uma história que partilho contigo e gosto de partilhar. Porque me fazes partilhar sonhos e cuidados que deixam de ser só meus. Porque acarinhas os meus sonhos e os meus cuidados e eu os teus, só-porque-sim. Porque apesar dos filhos e da vida e do peso das coisas, continuo a ver-te só  a ti, como se os filhos, a vida e o peso das coisas não te conseguissem desfocar, mesmo que às vezes o risco seja esse e esteja mesmo ali, silencioso e implacável como um precipício que nos faz mergulhar. Porque se calhar isto que temos continua a ser único e sobrevivente.
Porque os porques não acabariam, ou só porque-sim. 
Acho que sim, o nome disto pode ser o que quisermos dar. E o meu, eu sei qual é.