terça-feira, 3 de outubro de 2017






LATITUDES


Ia pela mão da avó (suponho eu que seria a avó) e eu ouvia-o dizer numa voz pequenina, de 3, 4 aninhos: -"quero a mamã" - que repetia, tipo ladainha. A avó respondia-lhe que a mamã estava numa reunião e perguntava-lhe se queria ir comer um gelado, ou uma torradinha ao café. Que não, não queria, o que queria era mesmo a mamã. " - A mamã está numa reunião, repetia-lhe. Que a reunião é má, queria era mesmo que a mamã estivesse ali. Enquanto o passeio de asfalto durou e eu lhes segui os passos, ouvi aquela conversa a dois que me enterneceu. Qual torradinha, qual gelado, a mamã é que era ao fim de um dia de escola. Haverá melhor que isso?
Depois, na sala de espera da consulta a que fui, nem de propósito: consultório vazio e a funcionária aproveita para telefonar à filha. Apercebo-me que a gaiata será pequenita, pelo tipo de conversa e pela condução das respostas. Do lado de lá, excitada conta-lhe qualquer coisa da escola e pergunta à mãe quanto tempo mais demorará a chegar. -"Então guarda bem o que me queres dizer, que a mãe está quase a chegar, ok? Já não demoro - responde-lhe... - "Então, filha, mas o meu trabalho ainda não acabou..."

Pois é, pois é... Por maior que seja o nosso (seu) mundo, por mais afetos espalhados, sólidos, pedagógicos, verdadeiros, equilibrados que tenhamos, por mais que arrumemos desde pequeninos o nosso dia dividido entre tantas outras coisas, por mais que cresçamos e nos sintamos saudáveis (nós e eles) com tudo o que nos rodeia e por mais que isso nos faça bem, é a mãe que queremos tantas vezes, é o colo dela que pedimos, é a voz dela que queremos ouvir. Será uma verdade universal e intemporal, esta. Quase como uma regra. E mesmo com todas as exeções a esta regra, que existem, porque o mundo tem muitas cores e formas e tamanhos e sentires, atrevo-me a dizer que, em qualquer latitude, será assim.
Também cá em casa, nesta latitude tão minha e especial!


P.S. Claro que já preferem a torradinha, em vez da mãe (dizem eles...), mas no fundo, no fundo...


Sem comentários:

Publicar um comentário