quarta-feira, 23 de agosto de 2017







ROLETA RUSSA

Quando me lembro dos dias que passámos em Paris, das milhares de pessoas que víamos nas ruas, das ruas estreitas por onde andámos, dos sítios cheios de gente onde comemos, das longas viagens de metro, não consigo evitar um arrepio, em contraponto com o que se ouve agora de Barcelona, do atentado nas Ramblas. Não consigo deixar de me lembrar que há exatamente um ano, passeava eu e um grupo de dezenas de Escuteiros do Agrupamento a que pertenço, nas mesmas Ramblas, com a mesma afluência de gente, com a mesma descontração turística, com a mesma ligeireza e desprendimento de quem está de férias. Desta vez e das outras,  vimos polícias na rua, sim, armados até aos ossos, sem dúvida. Vimos medidas de segurança em tudo o que era sítio, sim, abre mochila, fecha mochila, espreita saco, espreita sacola. Sim, sem dúvida também. Num ritual a que nos vamos habituando por causa do que se vai passando, um pouco por todo o lado. 
O que sinto agora, a posteriori, é que o que se ouve e o que se sabe é sempre tão escabroso, tão desumano e tão difícil de imaginar, que quando lá estamos, nos passeios, nas ferias, nas ruas cheias de gente, ou nos monumentos apinhados, nunca nos lembramos de nada, isso nem nos passa pela cabeça, assim como que num mecanismo de auto defesa que remete essa eventualidade remota, para um cantinho inconsciente do nosso cérebro, porque é uma eventualidade que contraria a nossa própria natureza humana.  Era isso que se passava comigo (talvez connosco) em Paris. Essa eventualidade passava-me pela cabeça em  nano segundos, nem me dando tempo para tomar a ideia como real. Talvez este seja mesmo um mecanismo de defesa, quem sabe. Talvez a nossa ligação com estes assuntos passe somente, em grande parte, por este vivenciar mais preemente das medidas de segurança. Talvez o máximo que possamos estar próximos desta realidade seja o de pensar nas vitimas em causa com ternura, respeito e uma profunda reverência. Talvez o continuarmos a ir, a estar, a viver seja a forma certa de eternizar a ideia de que o medo não nos derrubará. Talvez, talvez...
Por agora, e mesmo em estado de grande anestesia pelas férias, que quero contrariar não ficando indiferente, fica uma terna lembrança de Paris, como se isso se transformasse num contrariar do(s) medo(s) e um profundo respeito por quem, em jeito de roleta russa, está no sítio errado, à hora errada



P.S. Não tinha foto apropriada para este post. Escolhi uma das minhas preferidas, tiradas em Paris, num sítio giro e cheio de gente feliz. Que isso e o sorriso que tenho na foto simbolizem o não desistir e o não querer habituar-me a viver com medo. Em Paris, ou em qualquer sítio. 


Sem comentários:

Publicar um comentário