terça-feira, 20 de junho de 2017

 LEITE DERRAMADO

Já estou submersa, naquela fase do meu trabalho em que só vejo papéis à minha volta e em que sinto que tenho que ter uma grande capacidade de organização para ter tudo feito a tempo, horas e, sobretudo, com algum sentido, tentando pôr no horizonte, os miúdos com que trabalho e tentando que o tanto que se escreve por estes dias tenha norte, objetivo e, sobretudo, intencionalidade. E isto, equilibrando com uma filharada, leia-se 3, já em modo semi-férias. Já tenho falado disto por aqui, não é novidade e não vale a pena discorrer sobre este assunto, achando que-o-que-deveria-ser-não-é-ou-o-que-pena-de-isto-ser-assim-não-devia-blá-blá-blá.
Não há volta a dar a isto e o meu sentido prático faz-me não chorar sobre este leite que já se derramou há muito, mas sim, fazer o que tem de ser feito e fazê-lo bem, de preferência com um sorrisinho pelo meio. Essa, será sempre a minha (nossa) única salvaguarda e o respeito que os meninos e meninas com quem trabalho merecem, a isso me obriga.
Mas pronto, em abono da verdade, aquela verdadinha, verdadinha mesmo, que é uma real seca, é, de facto.
Isto há coisas!!!

CONSISTÊNCIA (afinal, é uma palavra gira...) Hoje dizia a uma amiga que não me coíbo, muitas vezes, de me mostrar em desacord...