terça-feira, 18 de abril de 2017






ARMÁRIO ENORME...

Às vezes dou por mim a pensar que, comparativamente com outras mães que conheço, sou mais impaciente, menos tolerante, mais implacável com certas coisas. Por nano segundos, quase que me culpo... Que tenho menos paciência que muitas, sei que é verdade. Não tolero uma resposta torta, uma insolência disfarçada de chico-espertice, uma preguicite mais-que- aguda. Não tenho, sobretudo, paciência para parvoíces disparatadas da aborrescência que, se exageradas, devem ser (firmemente) corrigidas, acho eu, sob pena de me anular de dizer-te/vos aquilo que penso e sob pena de não te ensinar a valorizar aquilo que acho que é mais importante para ti. Não posso deixar que certas coisas te passem ao lado, percebes? Nunca deixarei, portanto, de te dizer o que penso, mesmo que, pela fase de armário enorme em que vais estando por estes dias, tudo o que a mãe te diz seja o mais horrível e desadequado que se possa imaginar. Não faz mal, a vida é mesmo assim e assim sempre será e já não tenho idade (nem nunca tive jeito) para imaginar pseudo-traumas. E de facto, aquela mãe de revista, sempre serena, perfumada, linda e (aparentemente) disponível eu não sou. Sou muitas vezes, como disse acima: impaciente, firme e (quase) implacável com aquilo que julgo importante e visceral para que cresças saudável. É que isto do CRESCER, tem mais que se lhe diga e não é só físico. É também, e muito mais importante, emocional e psicológico.
Por isso, continuarei, ao meu jeito, a passar-me contigo, a esfrangalhar os nervos, a gritar, a disparatar com ondas de génio bom que logo passa, mas que marca posição, a ser uma mãe da vida real, com vida, trabalho, filhos, stress e outras coisas para gerir, com vida também própria, com desassossegos e afetos e zangas e mimos, mas também com verdade, com um amor imenso por ti e pelas tuas irmãs, com um horizonte bem definido em termos de qual deve ser o meu/nosso papel, com firmeza misturada com doçura, com coerência e doses de vida real, daquela que nos dá chão e espaço próprios.
É que, sabes? Essas, as das revistas, se calhar são um bocadinho virtuais... a vida real é bem diferente e, acho eu, pode ser muito melhor, quanto mais não seja, porque é maravilhosamente (só) nossa.

LUV U!







PARIS ( Post escrito na última noite em Paris) Estamos a deixar Paris. Esta é a nossa última noite nesta cidade maravilhosa. Já cá t...